Sintonizada com as tendências mundiais

05/02/2016 | Lwarcel Celulose



Fotografia da empresa LWART em Lençóis Paulistas. Agosto de 2012.

Para acompanhar as tendências mundiais focadas em novos produtos que podem ser gerados a partir da madeira, a Lwarcel Celulose participou, em fevereiro passado, do evento que discutiu o tema Conversão Termoquímica de Materiais Lignocelulósicos.

O encontro, promovido pela Universidade Federal de Viçosa (MG), reuniu empresas do setor, fabricantes de equipamentos e universidades para apresentar as linhas de pesquisa em tecnologias para aproveitamento da biomassa. O conteúdo apresentado focou as novas oportunidades para geração de energia limpa e possibilidades de criação de novos subprodutos, com ênfase às oportunidades para a indústria de celulose neste contexto.

Esa Vakkilainen, pesquisador da Lappeenranta University of Technology e Rafael Zaghete Bertochi, da Lwarcel Celulose
Esa Vakkilainen, pesquisador da Lappeenranta University of Technology e Rafael Zaghete Bertochi, da Lwarcel Celulose

O curso foi ministrado pelo renomado pesquisador Esa Vakkilainen, Ph.D da cadeira de Sistemas de Energia Sustentável da Lappeenranta University of Technology, da Finlândia. Com passagens pelas empresas Ahlstrom-Andritz Corporation (Gerente de Desenvolvimento) e Pöyry da Finlândia (Especialista em Recuperação), o professor discorreu sobre como se encontram os campos de pesquisas nos países europeus para aproveitamento integral da biomassa.

“Existem tendências muito inovadoras. Os países europeus, por meio de importantes incentivos governamentais em parceria com a iniciativa privada, já estão avançados em pesquisas para utilização da madeira e seus resíduos para transformação em diferentes compostos, seja por rota térmica ou química. Na Finlândia, por exemplo, já está em construção uma fábrica modelo de biorrefinaria com tecnologia limpa, além de outras tecnologias já implantadas como gaseificação da biomassa em forno de cal e geração de bio-óleo, combustíveis gerados a partir de resíduos florestais”, explica Rafael Zaghete Bertochi, pesquisador da Lwarcel Celulose que representou a empresa no evento.

Encontro promovido pela Universidade Federal de Viçosa (MG) reuniu empresas do setor, fabricantes de equipamentos e universidades
Encontro promovido pela Universidade Federal de Viçosa (MG) reuniu empresas do setor, fabricantes de equipamentos e universidades

100% de aproveitamento

Com os avanços da tecnologia, hoje já se pensa nas florestas de eucalipto como potenciais para gerar o “petróleo verde”, obtendo-se produtos para outras inúmeras aplicações, como medicinais, cosméticas e combustíveis para transporte. São inovações tecnológicas geradas, além da madeira diretamente, também a partir da lignina – composto extraído da madeira no processo de fabricação da celulose. É possível se criar subprodutos, como resina para painéis de madeira, carvão ativado – utilizado em filtros de água e catalisador de carros -, e também fibra de carbono. Estima-se que, em uma década, esse tipo de fibra sustentável – 50% mais barata do que a convencional derivada de petróleo – estará disponível no mercado e poderá ser usada na indústria aeronáutica e nos chassis de carros, invadindo o bilionário setor automotivo.

A Lwarcel é uma empresa que acompanha as novas tendências mundiais do setor. “A empresa tem uma cultura que prestigia a inovação sempre em sintonia com o que é desenvolvido e aplicado no setor de celulose. Por isso é importante estarmos presentes em seminários, cursos e palestras”, afirma Rafael.




COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Required fields are marked * *

*

19 − seis =